História De Amor Com Um Militar Fiel À República 2

História De Amor Com Um Militar Fiel À República

Que a realidade poderá passar a ficção e os fatos reais são um agradável terreno fértil pros romances, é uma coisa que sabem bem os escritores. A Sonsoles Ónega se lhe atravessou uma daquelas histórias reais que implorando pra ser levadas para o papel. E não hesitou: escreveu Depois do carinho, adquiriu, com ela, o prêmio Fernando Lara e agora Planeta acabou de tirá-la pra via. Depois do amor conta a complicada relação amorosa de Carmen Debulha, uma mulher de classe alta, culta e atraente o bastante para ser conhecida como a Greta Garbo do Barcelona, e o militar Frederico Escofet, próximo ao presidente Companys.

O que lhes passou a ambos foi, em suma, o que a Bogart e Bergman em Casablanca, que se apaixonam no momento em que o mundo ficou perturbado. É árduo resumir em poucas expressões uma novela tão cheia de ingredientes como esta. Ademais, o romance resgata, não neste instante a Carmen, que não aparece pela biografia oficial do homem que a amava, contudo a este, um desses militares leais à República, sobre o assunto os quais caiu um esquecimento interessado. Jornalista afinal, Sonsoles Ónega foi aplicado o rigor de seu ofício pra pensar a Barcelona dos anos 30, consultando tudo o pesquisado.

Eu tiro o vago. Eu posso errar, o diretor poderá me dizer que não estou bem por este lado, porém eu tiro. Sim, ele chegou ao ensaio e não se nota nada. Em moradia sim, eu sou muito neurótica quando estou iniciando a entender um protagonista e enfrentándome a ele. Mas eu gosto dos atores que duvidam. É claro que sim. Quando você é jovem, há tal inconsciência que te lanças e tudo é um desperdício de forças, de estados de ânimo.

lembro-Me de uma questão que nos dizia William Layton, um homem tão encantador como o sábio: “você Tem que encaminhar-se até a medula”. E é verdade. É uma questão que se vai aprendendo com a idade. Em todos os sentidos. Conforme você envelhece mais tiendes a buscar a amêndoa, no centro. Vê outras coisas que estão nos arredores, que também estão bem, e que você podes ceder um passeio por lá.

  • 1720: O vulcão Popocatépetl tem uma erupção leve e lança fumarolas
  • Braço esquerdo: Kobelco CK2500 crawler amarelo (Hightower)
  • Tudo o que posso reflexionar é fazer exercícios com minha boca e língua, quando chego do trabalho
  • Os Maus Anos (Emiliano Zuleta)
  • 8 fevereiro, 2018
  • 12 de junho de 1987 – 1962 Enrique Guzmán

Mas a amêndoa é o mais relevante. É verdade que eu não faço cinema há muito tempo. Mas, até outubro, em que retomamos “Medeia”, eu estive fazendo turnê. Não tenho descansado nada. Não o é. O que você vai aprendendo -e eu aprendi muito cedo – é contar não. Mas, desde por isso, não pra pôr as coisas em marcha. Sim você é dono de aceitar ou descartar o projeto, que é alguma coisa muito primordial.

Eu tenho passado muita preocupação pela quantidade de coisas que tinha que fazer. Até abril eu estava interpretando “Kathie e o hipopótamo”, a obra de Vargas Llosa. Esse mês fizemos disco, “Canções constata-se”. Em maio eu comecei a ensaiar “Medeia” e a turnê de verão; ao longo dos primeiros ensaios da peça de teatro ” fiz três shows, com todas as complicações vogais, já que não se podes fazer teatro e cantar ao mesmo tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error:
Rolar para cima