Os Gatos Raivosos 2

Os Gatos Raivosos

O procurador-geral do Estado, vai substituir os fiscais que mais guerra deram ao Executivo, entre eles o que empapeló o presidente de Múrcia. É que chegou um ciclo em que a democracia tinha acabado com o nepotismo, a corrupção, o espalhe e o enriquecimento selvagem de alguns pais da pátria ou da democracia se escapando pelo ralo.

Eram necessárias as mãos limpas daqueles heróicos juízes italianos para evitar que a enorme cloaca continuasse a crescer abaixo dos palácios. Mas, como se viu, nem sequer todas as mãos eram limpas nem todos os juízes e fiscais independentes, nem ao menos os governos e os partidos deixam de se meter no Poder Judicial.

Como pela década de 90, a Justiça anda com a lentidão de um jumento e o instinto de hiena. No caso Nóos a “sinopse” da acórdãos tem mais de 700 páginas e levou 7 meses pra ser escrito por 3 magistradas. Os arguidos nesse juízo -sejam eles príncipes ou vereadores – são retratados, diante das câmeras, como rufiões entre a algarabías da porta de audiência.

Ontem, os administradores da justiça rua chamaram de “chouriço” e “ladrão” para Urdangarin quando chegou a Audiência. Um renomado jurista citou-me: “Ir ao tribunal é aterrador, de forma especial porque as hordas se podem lapidar pela rua. A multidão pede condenados, condenados”. Houve um tempo em que quem engordaba era muito fechado, não necessitava de juízes, contudo tiranos.

Agora em Espanha tomaram a praça dos gatos raivosos que preconizam a ditadura da qualidade em um esperpéntico e imaginário comitê de saúde pública. A multidão carrega nos bolsos das fósforos de queimar bruxas ou de incendiar os que semanas antes foi votado.

  • Pororo, cão de Shin Young Joon em Uncontrollably Fond
  • três Incríveis e Incríveis dois (@1950s e @1960)
  • 15 punições que no momento em que éramos pequenos nos pareciam a coisa mais cruel do universo
  • 8 – “Se há algo que me rebenta são os alfinetes”……………………..Um balão
  • Medicamentos prescritos pelo veterinário
  • Coruja campestre, Asio nasofaringe (A)
  • A obra é pública e acessível

Mas o médico não lhe deu importância. Alguns dias mais tarde, adormeci diante do pc, enquanto visitava o web site de uma corporação que oferecia serviço a domicílio. Quando eu acordei, do volume havia brotado uma raiz que me seguravam no território e foi posto nas frestas do chão.

Na tela poderia se ler: “sou grato por se ter decidido entrar para a nossa corporação. Nos próximos dias, será transplantado pra nossas instalações”. Quando chegaram os jardineiros, nas costas me havia brotado um nanico casulo. “isto”, dizia, sem lhe conceder importância, “isto” que, pra ele, não era nada, e eu partia a alma. Não demorou muito pra perceber que o meu nome não era corrente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error:
Rolar para cima