"Quem Não Te Faz Rir, Certamente Não Se Fará Gemer" 2

“Quem Não Te Faz Rir, Certamente Não Se Fará Gemer”

O universo do casal é mais complicado do que, a priori, parece. A base do clássico moço conhece a moça, se gosta, se apaixonam e partilham a tua vida juntos, é, infelizmente, menos comum do que a humanidade tivesse querido. Se as coisas fluyeran de modo natural, provavelmente nas livrarias não se amontonarían os manuais sobre como fazer ou administrar o amor em nossa vida.

Rúben Turienzo se aproxima do mundo de Eros com a segunda divisão de Smile , com vários exercícios práticos, e dedicada a incentivar a maneira positiva no que ele define como pros casais radiantes. De acordo com o autor, estes casais necessitam basear seu tratado em pilares como o lucro, a sintonia, o destino e a química. Turienzo quer deixar claro que em todas as relações e casais, existem problemas, entretanto sim que se pode assimilar é a de identificar onde está o conflito para trabalhar e resolvê-lo.

Existem muitos manuais, como o teu, nos ajudam a ter relações mais saudáveis. Será dessa forma tão árduo é isso do afeto que precisaremos que nos expliquem como adorar os nossos parceiros? É verdade que há muitos, e que é um assunto inesgotável; se neste instante é trabalhoso assimilar o que ocorre dentro da cabeça de uma pessoa, pense com dois cérebros.

Ao desfecho, uma relação é um pacto típico entre duas pessoas, e aqui é onde falham a maior parte dos manuais. Que costumam dar muitas diretrizes gerais que são como acordos legais. As relações não estão nem sequer agradável, nem ao menos mau; cada pessoa impõe a sua própria. Fazem ausência manuais como carecemos de qualquer tipo de elemento que nos ajude a refletir a respeito da nossa relação, como já fazemos com outros estilos de nossa vida, como o trabalho ou a nossa atuação.

  • Dois Essas coisas você não precisa fazer se você quer namorar um homem
  • Que saiba que tua vida perde o significado se você não está com ela
  • É que eu estou apaixonado por você, já que eu vejo o universo em teus olhos e os teus olhos em o mundo todo
  • cinco Sorpréndelo com detalhes

Isso é porque não conseguimos fazer os trabalhos de residência a tempo e concebemos a conexão como qualquer coisa tão simples como namorar alguém e estar com ele ou com ela? Eu é que deveria ser simples em vista disso! Com a fração que necessita observar com a educação que recebemos. Estamos todos um tanto de alface com o vírus do “para sempre”.

Aqui é onde começam os problemas! Quando há alguém que gostamos ou que nos fez feliz em um algum momento de nossa existência e, apesar de não funcionar a relação, nós nos esforçamos para que as coisas sejam para sempre. Aqui neste instante não se trata apenas de deixar que a química agir, no entanto há que começar a trabalhar a porção do jeito na conexão. Entendo que, pelo o que me diz, que devemos enfrentar desde o começo que uma ligação é uma coisa que vai terminar mais cedo ou mais tarde, por muito cru que pareça, durante a fase inicial de estudo.

a primeira Coisa que devemos começar a captar é que as coisas não são eternamente. Nós Podemos trabalhar pra que o sejam, porém não podemos forçá-lo. Estamos numa população em que vivemos de utilizar e deitar fora; quando eu tenho uma questão que eu exercício e no momento em que isso não me vale o tiro. O defeito é que temos levado as relações ao mesmo terreno.

Há um ponto médio que é aprender com a perícia de compreensão da outra pessoa e o que há que fazer é trabalhar a ligação. Não permanecer pela posição do “eu sou desse jeito”, todavia trabalhar a posição do “o que posso fazer pra ser melhor juntos”. A idéia é fazer-nos felizes todo o tempo possível. “Te aspiro muito”. “Eu preciso de você”. “Não sou nada sem ti”.

como Costumamos confundir o afeto com a dependência sentimental? É uma das ocorrências que mais se repetem em nosso dia-a-dia. O “eu te amo” é um verbo em inglês, é muito descomplicado de identificar e que, ao encerramento, ausência-lhe um “para”. Por que te aspiro? Não podemos ser conscientes de que o cobiçar implica a toda a hora um “pra” e, se o fôssemos, definitivamente, poderíamos catalogar melhor a ligação que temos. Quero-Te pra que me andes toda a existência, como companhia, como comparsa, como amante. O “eu preciso” não é um passo a mais, é um eu não poderei ser feliz sem a tua presença, uma questão que é totalmente perigoso.

Uma pessoa tem que ser saudável emocionalmente e encontrar o equilíbrio por si mesma. Eu amo de apresentar do “eu escolho” que, pra mim, é o ponto de afeto consciente. Um casal que funciona é aquela que, desde a saúde individual de cada indivíduo poderá relatar a outra pessoa “eu te escolhi desde a minha autonomia a cada dia, pra que esteja ao meu lado”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error:
Rolar para cima