'Se Os Animais Falassem Seriam Muito Chatos' 2

‘Se Os Animais Falassem Seriam Muito Chatos’

�Que há que ter em conta pela hora de cuidar de um animal? Como você necessita agir se doente animal de estimação? As experiências profissionais do veterinário Carlos Rodrigues (Lisboa, 1964), servem de assistência e são recolhidos no livro ‘Eu e os outros animais” (Editora Espasa). Por intermédio de tuas vivências e algumas anedotas, Rodriguez fornece as diretrizes básicas para a convivência com um animal de estimação de uma forma amena e divertida.

Desde no momento em que queria ser veterinário? Tinha duas dúvidas na minha infância. Ser uma cura ou um veterinário. Menos mal que escolhi ser veterinário. Eu não acho que ele teria feito uma amplo colaboração para o clero. Por que decidiu-se pelo universo veterinário? É um sentimento. É muito gratificante poder acudir um animal sem aguardar nada em troca.

Uma pessoa que você podes pedir assistência, no entanto o animal necessita interpretá-lo, compreendê-lo. O menos difícil para compreendê-lo é tentar entrar em sua periodicidade. Por exemplo, se você não entende o árabe e quiser se informar em árabe o que você vai ter complicado. Mas se você utilize qualquer coisa tão essencial como a linguagem de sinais, certamente te-ás com um árabe, um finlandês ou qualquer um.

eu acredito que todos nós somos capazes de pegar uma expectativa de comunicação, estando ao grau do outro. E no caso dos animais? Basta observá-los. Muita gente me diz que o seu cão ou gato só lhe inexistência expressar. Se os animais fizessem seriam muito chatos já que o extraordinário é poder observá-los, deixar-nos inundar por seus comunicados. Verdadeiramente, nos falam mais do que vários acreditam. Na introdução do livro começa com Aristóteles, Foi o primeiro defensor, promotor, interessado, estudioso do que atualmente conhecemos como ‘medicina veterinária’.

  • Rusheas pra que o cigano de teu bairro não te da a vara
  • dez parques de campismo da praia, para as famílias
  • 10 frases que ajudam a apreender melhor a doença de Alzheimer
  • E se você tem uma fazenda de formigas
  • MX Não é possível avaliar uma metástase longe
  • Lidar com o stress da viagem

o Seu livro está abundante em histórias e vivências pessoais, São algumas histórias. Desde pessoas que me puxa para os seus braços, quase como se tivesse salvado seu filho, até os que me querem matar. Embora os animais tenham esse temor do veterinário já que não sabem o que lhes farás, se procurá-lo muito dentro não há dúvida que, no fundo, a toda a hora há uma agradecimento. Você tem um processo específico na hora de tratar os animais em sua clínica? Quando vem um cão pra consulta, sinto-me no chão pra estar à tua altura, ou se é um gato o deixo solto por um tempo.

dou-Lhes um tempo de adaptação para que se tranquilicen. Você precisa simpatizar com alguns seres que são diferentes da gente. Como reaccionaríamos se tivéssemos que ir ao proctólogo e nada mais chegar jogá-lo diretamente para a maca e vai enfiando o dedo no seu reto? É verdade que os únicos que lhe fizeram lacrimejar foram seus cães?

Um dos capítulos do livro, o centro a respeito do meu pai e o meu cão Roko, que são 2 dos seres que de fato eu chorei. Desde que comecei a publicar o episódio até que finalizei não parei de lacrimejar. O que é o que mais lhe surpreende deste elo que se estabelece entre uma pessoa e um animal? Há uma hipótese muito interessante, que ainda não está suficientemente explicada, a respeito do vínculo que o ser humano impõe com alguns cães.

Em alguns casos, é tão brutal e íntimo que às vezes surpreende. Quando se impõe uma vinculação muito robusto o animal detecta certas atitudes nossas, faz o que você quer que eu faça sem expressar nada. Por tua experiência, O maior problema é acreditar que esse animal é um ser humano desigual e tratá-lo com nossos conceitos educacionais, alimentares e higiênicos, ou seja, antropomorfizarlo. Um cobaia, obviamente, não se te aparece à sua tia Julia e um cão não é como o seu amigo Daniel.

Em primeiro recinto, todos os que interagem com um animal de companhia teriam que ser suficientemente respeitoso para saber como tomar conta dele. Em caso de dúvida, O mais legal é perguntar. Nos veterinários somos os fiadores da saúde e do bem-estar dos animais. Nem todos pensamos, evidentemente, de forma aproximado, temos discrepâncias, no entanto há que perguntar a quem sabe. Há uma frase que cada vez defendo mais: “Pergunta eternamente aquele que você pode denunciar”.

O veterinário tem uma responsabilidade. Como ainda inexistência um superior conhecimento e educação na hora de tratar os animais? Total. Eu não consigo apreender a morte de animais como o Toro de la Vega em Tordesilhas. Muitos me dizem que eu não sou vegano e como carne, porém estou convencido de que o consumo de carne é adequado para o ser humano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error:
Rolar para cima