Suplemento Campus 455 - Casanova: O Amor Como Uma Das Belas Artes 2

Suplemento Campus 455 – Casanova: O Amor Como Uma Das Belas Artes

Não importa se as colossais aventuras amatorias de Casanova foram certas ou inventadas. Nunca saberemos se foi um extenso escritor, ou um enorme amante. Provavelmente tenha sido as duas coisas, entretanto não é descabido supor que fosse apenas um excelente escribidor apto de inventar um personagem que ficou pra história como o carinho das mulheres.

as mulheres e a Mulher, com letra maiúscula, tão inaprensible que é inútil fingir encontrá-la em uma só, visto que a Mulher que ele gosta de Casanova é o compêndio de todas. Casanova aparecia tudo o que de bom têm as mulheres. Isso é o que eu distância de don Juan. Porque don Juan é um caçador.

Quer ocupar a fortaleza para em seguida abandoná-la com desinteresse. Casanova, em troca, ama iniciar uma relação, no entanto odeio cessar com ela. Para impossibilitar a ruptura, urdirá artimanhas e artifícios, de forma que, quase a todo o momento, deverá variar de cidade para poder variar de carinho. Casanova faz felizes as mulheres enquanto está com eles.

  • Mensagens: 821
  • Técnicas de malha têxtil
  • 1971-1989: infância e início da carreira[editar]
  • O Arauto [Artista do ano de 1984 e Melhor foco de novela 1996 e 2000]
  • você É a pessoa na qual determinado feliz diariamente

É a sua tarefa, a desculpa de tua existência. Pra isso nasceu o filho de atores, pela existência e na literatura. Como o protagonista não teria podido nascer em outro ambiente que não fosse Itália, e tinha que ser de Veneza. Ao longo de sua existência, Veneza é o seu fundamentado afeto, seja pela tua presença ou na tua inexistência. Quando em teu enorme exílio e percorre as cortes europeias em busca de ajuda nunca deixa de sonhar com a república de veneza, com seus canais e com os seus esgotos, com seus lamas e com as tuas mulheres. O ódio a Veneza chega a ser uma forma de entendimento e, deste modo, será capaz de narrar os venezianos como ninguém.

De lá você terá de bater em retirada duas vezes, e a última fuga será a morte, o exílio e a glória literária. Sabendo que eu nunca poderia voltar escreve, no castelo do Conde de Waldenstein, História de minha existência. Assim se consola dos amores que neste instante não podes viver fazendo-as viver eternamente nas páginas de um livro. Não foi o primeiro a descobrir consolo pela literatura, no entanto quem sabe seja o primeiro mulherengo que as mulheres dos séculos vindouros adoraram e que os homens são invejado bastante tempo depois de falecido.

Não era rico, contudo viveu como se o fosse, quem sabe não era gracioso, contudo triunfou onde os belos haviam fracassado. Parece que era alto e loiro, de olhos azuis, como os príncipes dos contos. Não era um príncipe, mas o filho de uns pobres atores. A primeira mulher de sua existência não foi sua mãe, no entanto sua avó Marcia.

Sua mãe, uma elegante atriz, não nunca tinha tempo pra ele. Talvez essa mãe ausente, que busca sem encontrá-la em todas as grandes mulheres da sua vida. Aos doze anos, se apaixona por Bettina, de 15. Não lhe serve de nada ser um casanova, não apenas por causa de seu amor não é correspondido, porém que necessita atravessar o gole de encontrá-la na cama com outro. A começar por por isso, no entanto, não conhecerá vários fracassos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error:
Rolar para cima