"Todos Os Livros Ensinam Algo, Se Curam, Graças a Eles, Pode-Se Viver" 2

“Todos Os Livros Ensinam Algo, Se Curam, Graças a Eles, Pode-Se Viver”

o Que atraiu um protagonista como Marie Curie? É um protagonista que eu a toda a hora curti. Em “Instruções pra salvar o mundo” agora mencionava-e nem ao menos me lembrava, me lembrou um leitor por meio do Facebook e me fez rir. A editora Seix Barral determinou-me o jornal que Marie Curie, escreveu a morte de Pierre Curie, de só vinte e oito páginas. Quando o li, fiquei de fato explodiu na cabeça e senti a necessidade de saber muito mais do que ela.

Eu diria que é um livro a respeito da vida, o que ocorre é que a morte faz cota da existência. Foi algo muito natural, que, de repente, apareceu como señalándome a trajetória. É um livro feminista? Não, pra nada. Eu Me considero feminista ou antisexista, mas detesto a literatura militante, é a traição o que é o sentido de escrever.

O sentido de digitar é a pesquisa do sentido da vivência. Você não poderá iniciar uma obra que tenta aprender se você levar as respostas prontamente dadas. É um livro que está repleto de questões, contudo não de respostas, que fala da mulher a partir de um ponto de visibilidade existencial.

Eu detesto as ideologias, em ensaios si cabem as posturas ideológicas, todavia pela literatura jamais. O que perseguia, logo, ao escrevê-lo? É a minha caixinha de tesouros, os tesouros da minha existência e da existência de todos. Um dos principais aprendizados que precisamos compreender é o que fazer com essa agonia para que não nos destrua.

  1. 60′ Taconazo de Obertan que não encontrou parceiro pela área do Arsenal
  2. quatro Mulheres de Alan
  3. Porque Os cadáveres de permissão a toda a hora tiveram Sonhos de chumbo
  4. Titu Blog: o inventor do Metro Premium
  5. 1981 Os Borgia. Série da BBC, onde é encarnado por Adolfo Celi
  6. As corporações podem recuperar 100% da despesa de capital.[156]
  7. 7 Vestir bem
  8. dia vinte e oito de novembro. Brasil confirma que o vírus Zika circunstância microcefalia de recém-nascidos

Não é um livro sobre a morte, mas assim como a respeito do combate. É uma espécie de confissão? Nunca pensei em fazer um livro sobre a morte de Paulo, meu companheiro, pelo motivo de não é o meu temperamento. Eu li muitos livros de diversos escritores que fizeram isto, a partir de Joan Didion Marcos Giralt Corrente, no entanto não é a minha opção, pelo motivo de eu sou muito modesto e não gosto das novelas autobiográficas.

E como consegue manter o crucial equilíbrio entre a ficção e a realidade quando escreve coisas tão íntimas? É dificultoso, efetivamente, te curto, te reprimes e não conta coisas. Não tenho dúvida que tendo a toda a hora a comoção de que o que você está explicando é uma questão que vivemos diversos.

na hora de escrever o livro, sempre tido em conta para os outros. Você conseguiu, de algum jeito, resgatar a agonia que lhe causou a morte de seu parceiro? Para mim, todos os livros ensinam algo, se curam, em consequência a eles, pode-se viver. Não escreve pra ensinar nada, entretanto sim para aprender, e, verdadeiramente, você aprende, você entende que você é mais do que antes de digitar o livro. De algum jeito a todo o momento oferecer-lhe alguma coisa especial, que escreve dessa maneira. Neste caso, deu-me mais serenidade. Um entusiasmo um pouco esquecido, relegado no meio de tanta incerteza e sofrimento.

Existe um monte de pessoas que estão em uma situação horrível e só podem sobreviver em consequência a que, de repente, podem ler um livro. Apesar de tudo, a criatividade em tempos de crise, é o que nos permite sobreviver a ela, há que recorrer, com a arte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error:
Rolar para cima