Vertebrados Introduzidos No Uruguai 2

Vertebrados Introduzidos No Uruguai

Os animais vertebrados introduzidos no Uruguai expõe-se àquelas espécies animais nesse subfilo que foram incorporadas à fauna do uruguai (que não faziam porção, em tempos históricos). Estas alcançaram a tua naturalização, por ter estabelecendo populações autónomas no território desta nação. Não se consideram os casos de introduções relativas ao paradeiro, nem sequer os escapes de indivíduos solitários ou grupos se é que não foram capazes de gerar populações locais.

Se a espécie consegue se reproduzir e sobreviver por mais um tempo duradouro, dessa forma sim, foi incorporada, mesmo que em seguida, numa fase pós-asilvestramiento, se extinga, de forma natural ou como consequência de um programa de extermínio. Não se contam as introduções de espécies que, mesmo que não viviam naturalmente na área do país onde foram integradas, sim o faziam em outros setores da república.

Todo nação sério deve formar corporações específicas relacionadas com a dificuldade, destinándoles os recursos adequados para que as mesmas possam executar eficazmente a tua missão, em coordenação com os pesquisadores das organizações e universidades relacionadas. São imensas as causas que originam que o país deva suportar um enorme número de espécies introduzidas. Em alguns casos, o elenco original foi liberado ex professo. Os fins que tinham os liberadores, na maioria das introduções é ampliar as oportunidades pra prática esportiva, com a desculpa de que a nação originalmente não continha as espécies adequadas para essa finalidade. Por esta desculpa foi liberado fauna mais apta para a prática da caça esportiva.

Algumas espécies têm se definido no nação por causa dos escapes do cativeiro, o qual podia ser a sua reprodução em fazendas de aquicultura, ou sendo mantidas em casa como animais de estimação. Em alguns casos foram voluntariamente liberadas no meio selvagem, o que não é sempre que é possível ter certeza da origem de uma população.

  • Ligeiramente curvo e sem barbela
  • Os cães podem detectar câncer
  • Peixe/peixes: peixe
  • 3 Hereditariedade e eugenia
  • 6 Mya Pedra
  • Apresentação de compradores

Em alguns casos, as versões primitivas não ocorreram dentro das fronteiras do estado, entretanto bem como em países vizinhos, e as espécies, em franca expansão, migraram excedendo as divisórias internacionais e continuaram seu avanço sustentado. Também ocorrem casos inversos, introduções dentro do país que produzem populações que acabam transbordando os limites nacionais, prosseguindo o avanço mais além, parando somente onde profundas barreiras geográficas ou ecológicas lhes impedem de prosseguir. Em algumas espécies, a sua presença no estado se necessita ao transporte acidental a partir de seus locais de origem ou de países onde já se haviam determinado.

Por último, algumas espécies assim como foram introduzidas, como controle biológico pra delimitar a quantidade de mosquitos, ao se especializar pela predação de tuas larvas. Se bem que ainda tem acumulado escassa dado a respeito os possíveis efeitos na biota nativa destas introduções, estima-se que, em alguns casos, o prejuízo poderá ser sério a muito crítico.

A título de exemplo, especula-se que efeitos competitivos de herbívoros maiores introduzidos conseguem ser uma das causas da retração numérica e espacial de tua contraparte nativa. Nem todos os efeitos são produzidos de modo direta, há alguns que atuam de modo indireto. Por exemplo, a vegetação arbustiva é o habitat específico de inmensuráveis e menores mamíferos nativos.

Muitas das espécies de mamíferos introduzidos no atual território uruguaio chegaram junto com os conquistadores espanhóis, no século XVI. Algumas espécies comensais, como a laucha (Mus musculus) o rato-preto (Rattus rattus) e o rato-marrom (Rattus norvegicus), fizeram a viagem por meio da Europa, como polisones, escondidas nos navios. Foram registradas já nos primeiros inventários faunísticos do país.

Em ambientes naturais, atacam as aves, essencialmente as que nidificam no solo ou em cavernas. Eram descendentes de raças de origem espanhola, como o alano, que se utilizava para o duelo, além como cão de caça e para o manejo pecuário. Talvez a raça canina cimarrón uruguaio seja uma demonstração sobrevivente deste tipo de predadores feral históricos que conseguiu regressar até nossos dias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error:
Rolar para cima